top of page

TOXICAM na mídia

Buscar

À medida que a população mundial se expande agrega-se o desenvolvimento de novas tecnologias. Dentre os principais produtos amplamente produzidos na sociedade moderna, destacam-se os químicos , como os praguicidas, fármacos, produtos de higiene pessoal, corantes, etc. Entretanto, a produção excessiva destas substâncias possui consequências principalmente em relação aos resíduos que são gerados e seu descarte inadequado na natureza.

Avaliação toxicológica dessas substâncias, que são classificadas como contaminantes emergentes, utilizando o organismo-modelo zebrafish foi tema da palestra do TOXICAM ministrada no dia 11/09/2019 pela doutoranda Bianca Sales em Campos do Jordão/SP, que participou como palestrante na Fesbe subistituindo sua orientadora, Profa. Dra. Lilian Cristina Pereira.

O zebrafish é um pequeno peixe com aproximadamente 4 centímetros, caracterizado como modelo experimental alternativo e incluído dentro do conceito de 3R’s (reduce, refine, replace) para testes de toxicidade. Com o modelo é possível avaliar os efeitos de compostos numa gama de níveis biológicos, de enzimas a órgãos sensoriais e parâmetros comportamentais em qualquer estágio de seu desenvolvimento. Além dessas vantagens, o zebrafish destaca-se também por possuir rápida capacidade de reprodução, manipulação acessível, ser um modelo animal experimental relativamente barato e ter características genéticas semelhantes aos de seres humanos (com 71% de similaridade de genes), que facilita a extrapolação dos resultados obtidos com o modelo para os seres humanos. Segundo Bianca Sales, por todos os benefícios supracitados o estudo com o zebrafish abre perspectivas para novas investigações e é um modelo de grande relevância e promissor para se estudar os possíveis efeitos causados por químicos



.

0 visualização0 comentário

A pressão ético-social sobre a comunidade científica mundial para seguir o princípio dos 3R (substituição, redução e refinamento), postulado por Russell e Burch em 1959, está estimulando mudanças nos testes de diferentes áreas de pesquisa e práticas industriais, especialmente para avaliação de perigo e risco de produtos químicos. Neste contexto, a doutoranda Thania Rios Rossi Lima ministrou o curso " OVERCOMING CHALLENGES WITH DIFFERENT CELL CULTURES IN 3D" no Mutagen 2019 - XIV Congresso da Associação Brasileira de Mutagênese e Genômica Ambiental que ocorreu em Bento Gonçalves/RS entre os dias 03 a 06 de Junho.


Durante o curso, Thania teve a oportunidade de compartilhar com os ouvintes sua experiência com cultura celular em monocamada e em tridimensional, bem como apresentar seus resultados prévios do doutoramento sob orientação da Profa. Dra. Lílian Cristina Pereira pelo Programa de Patologia da Faculdade de Medicina de Botucatu/UNESP.

Para Thania "Embora ainda seja considerado um método tradicional, a cultura de células em modelo monocamada tem muitas limitações. Assim, com a necessidade de desenvolvimento de métodos com maior previsibilidade e confiabilidade, emergem modelos de cultura tridimensionais (3D) que mimetizam as interações célula-célula e matriz extracelular-célula que ocorrem no organismo humano".

5 visualizações0 comentário
  • lilianpereira

Atualizado: 7 de set. de 2019

O Núcleo de Avaliação do Impacto Ambiental sobre a Saúde Humana (TOXICAM), um laboratório da Unesp em Botucatu, realiza trabalhos desse tipo, em parceria com a Rede Zebrafish, além desenvolver atividades de extensão e difusão científica.





O Zebrafish, também conhecido como peixe paulistinha, tem se tornado comum nos laboratórios do Brasil. Isso ocorre porque as pesquisas que utilizam esse animal são economicamente viáveis e seus resultados são bastante significativos, devido à semelhança genética da espécie com os seres humanos.

22 visualizações0 comentário
1
2
bottom of page